Percurso

Todo caminho começa com um primeiro passo…

…Os primeiros passos foram dados desde que li ”Dibs, em busca de si mesmo”, aos 11 anos.

Ali percebi que todos precisam se conhecer.  Apaixonei por pessoas e suas realidades diversas e ocultas, muitas vezes reprimidas no inconsciente.

Tomei a estrada do autoconhecimento bem cedo. Primeiro como leitora estudiosa, depois com me experimentando em terapia. Só então fui para a formação. O primeiro passo foi com o Eneagrama, orientada por Alaor Passos, discípulo de Cláudio Naranjo. Logo veio a Escola Dinâmica Energética do Psiquismo (DEP), com Aída Pulstinick e Theda Basso.

No final de três anos, iniciei um processo que me levaria posteriormente à formação como facilitadora de Constelações Familiares. Foram mais de 300 horas de acompanhamento e participação em grupos de Constelação Familiar com Irene Taitson, em Brasília.

Precisava ir às raízes. Fui ao Ceará para reencontrá-las.  Mergulhei mais fundo no estudo das relações co-dependentes e o estudo com Krishnananda e Amana Trobe, psiquiatra estadunidense especialista em co-dependência afetiva, do Learning Love Institute.

Conheci Osho e me identifiquei como uma sanyasin. Ainda me considero assim. Recebi um nome espiritual (Prem Aika) pelo qual muitos me conhecem.

Um nome espiritual é primeiro um exercício de desapego das verdades e vaidades que o nome civil carrega e, também um desafio. Meu desafio: Ser Una.

A formação em Constelação Familiar chegou depois de mais de 360 horas de participação ativa nos grupos. Assim estamos até hoje. Em formação.

Porque facilitar constelações familiares não se aprende, como diz o mestre Bert Hellinger a gente cresce com o percurso. E entre formações, participações e atendimentos já vão mais de 600hs.

A filosofia de Bert Hellinger, da qual deriva a Constelação Familiar, entrou em mim como modo de olhar o mundo e as relações.  Cresci. E quando começou a ser aplicada no judiciário brasileiro, não tive dúvidas de que queria experimentar. A experiência virou reconciliação com a advocacia, que já não exercia há pelo menos 12 anos.  Direito Sistêmico virou minha segunda pós graduação na área jurídica. Finalmente una, integro e unifico minha primeira formação acadêmica com a formação terapêutica. Posso ser Una, posso ser Aika.

Simultaneamente, iniciei e concluí uma formação importante em Experiência Somática (SE), no Trauma Healing Institute, do dr. Peter Levine, em parceria com a Associação Brasileira do Trauma e iniciei a faculdade de psicologia.

Sendo Aika, pude voltar a ser Maria Cláudia Cabral.

Mulher, mãe, atriz, advogada, escritora inédita, poeta, servidora pública na alma e terapeuta.

Todas essas em mim. Sou muitas viagens, diversas mudanças, muitas estradas, diversos caminhos. Metamorfose ambulante. To na estrada. Vem!?